Empreendedores de BH apostam nos jogos digitais, mercado que cresceu 25% entre 2014 e 2016 no Brasil

0

De 2009 a 2016, o número de empresas atuantes no mercado de jogos digitais em Belo Horizonte pulou de um para 44. “E este dado já pode ter ficado defasado. o mercado está crescendo bastante”, disse o vice-presidente da associação mineira de jogos (Gaming), Tiago Zaidan. A entidade foi criada a pouco mais de dois meses com o objetivo de unificar o mercado, fomentando o crescimento da indústria e o desenvolvimento do ecossistema regional.

“O crescimento é muito grande. E é perceptível a melhora na profissionalização. O mercado já entendeu que é muito importante manter o diálogo com o pessoal da produção de Belo Horizonte”, disse o coordenador do curso de Jogos Digitais da Universidade FUMEC, João Victor Boechat Gomide.

O vice-presidente da Associação Mineira de Jogos (Gaming), Tiago Zaidan, aposta no crescimento do setor em Belo Horizonte (Foto: Maria Clara Ribeiro/Divulgação)O vice-presidente da Associação Mineira de Jogos (Gaming), Tiago Zaidan, aposta no crescimento do setor em Belo Horizonte (Foto: Maria Clara Ribeiro/Divulgação)

O vice-presidente da Associação Mineira de Jogos (Gaming), Tiago Zaidan, aposta no crescimento do setor em Belo Horizonte (Foto: Maria Clara Ribeiro/Divulgação)

Segundo levantamento feito pela NewZoo, uma das principais condutoras de pesquisas sobre a indústria dos games no mundo, o setor faturou US$ 1,6 bilhão no Brasil em 2016, um aumento de 25% em relação a 2014. Em oito anos, o número de empresas desenvolvedoras de games no país aumentou em quase 600%.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) também atesta esse crescimento. O volume dos serviços de tecnologia da informação cresceu 4,2% em novembro de 2016, em relação ao mesmo mês de 2015. De acordo com a Coordenação de Serviços e Comércios da entidade, esse crescimento se deve ao setor de jogos digitais.

Já consolidada como um polo de tecnologia no país, com mais de 200 startups e atraindo empresas como a Google, Belo Horizonte ainda está atrás de outros estados como São Paulo e Porto Alegre no mercado de games. Mas a cidade tem vocação para se tornar referência no setor, de acordo com Tiago. “A partir de 2015 teve o ‘boom’ de jogos digitais. Agora com a Gaming, a expectativa é muito positiva”.

Natan Rebelo, CEO da Gamelyst, veio para BH para fundar uma empresa de jogos digitais. (Foto: Carol Gandra/Divulgação)

Natan Rebelo, CEO da Gamelyst, veio para BH para fundar uma empresa de jogos digitais. (Foto: Carol Gandra/Divulgação)

O paranaense Natan Rebelo, de 26 anos, que chegou a cursar economia na Universidade Federal Fluminense (UFF), se mudou para Belo Horizonte com o objetivo de criar uma empresa ligada aos games.

“A cidade tem muitos incentivos para empreendimentos de tecnologia. É um centro importante do país”, disse. Rebelo é o CEO da Gamelyst, idealizada em 2014. “É uma espécie de ‘Netflix’ de games”, contou o empresário, fazendo referência à plataforma de filmes e séries da internet.

O lançamento da Gamelyst está previsto para março deste ano. “A gente já tem uma lista de espera com mais de 3,5 mil pessoas interessadas em jogar pela plataforma. São 120 jogos parceiros”, contou rebelo. A expectativa de faturamento anual é de R$ 200 mil.

Outra empresa que aproveitou o “boom” dos jogos digitais em Belo Horizonte é a Plug & Boom. Criada em 2014, ela desenvolve games para dispositivos móveis, como o celular e o tablete, e se prepara para lançar um de seus games ainda este semestre, no mercado estrangeiro.

Para o CEO, Gabriel Coutinho, Belo Horizonte tem força para se tornar um expoente do setor. “A cidade é muito forte nas startups. E o setor de jogos começa a se beneficiar disso. Tem muito o que crescer e potencial pra isso”.

Gabriel Coutinho (à esq), Matheus Braga, Luiz Flávio Freitas e Francisco Marinho da empresa de jogos digitais Plug & Boom. (Foto: Gabriel Coutinho/Arquivo pessoal)

Partilhe.

Sobre o Autor

Deixe uma resposta