Estado Islâmico reivindica autoria de ataque perto do Parlamento em Londres

0

O estado Islâmico reivindicou nesta quinta-feira (23) a responsabilidade pelo ataque fora do Parlamento britânico, em Londres. A agência Amaq, que é ligada aos terroristas, divulgou a informação.

Quatro pessoas, entre elas o agressor, morreram no ataque e 40 ficaram feridas depois que um carro atropelou um grupo de pedestres na calçada da Ponte Westminster, perto do Big Ben, na tarde de quarta-feira (22). O terrorista, que não teve a identidade divulgada, ainda assassinou um policial a facadas. Ele foi morto a tiros pela polícia.

“O perpetrador dos ataques ontem em frente ao Parlamento britânico em Londres é um soldado do Estado Islâmico e realizou a operação em resposta aos pedidos para se atacar cidadãos da coalizão”, disse a Amaq, em um comunicado, divulgado pela Reuters.

Polícia trabalha em Westminster, perto do Parlamento britânico, na manhã desta quinta-feira (23) (Foto: Tim Ireland/ AP

A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou nesta quinta que as forças de segurança já tinham investigado o autor do ataque por conexão com atividades terroristas. Ele é britânico e não teve a identidade divulgada.

“O que posso confirmar é que o homem é britânico e que há alguns anos ele foi investigado pelo MI5 em relação a preocupações sobre extremismo violento. Ele era uma figura secundária. Ele não fazia parte do atual cenário da inteligência”, declarou May no Parlamento, que retomou as atividades nesta manhã.

Policial armado em Londres, que segue em alerta após ataque na quarta-feira (22) (Foto: Neil Hall / Reuters)

Sem novas ameaças

Em um pronunciamento na frente da sede da Scotland Yard, Mark Rowley declarou que até o momento não foram detectadas evidências que apontem para “novas ameaças terroristas”. No entanto, o Reino Unido segue em alerta.

O Parlamento retomou as atividades nesta quinta-feira após um minuto de silêncio em homenagem às vítimas. O perímetro ao redor do imóvel permanece, no entanto, isolado e a estação de metrô de Westminster, fechada ao público.

A Ponte de Westminster, onde os investigadores continuam trabalhando, também está fechada ao público, segundo a France Presse.

(Foto: Editoria de Arte/G1)

Vítimas

O policial que foi morto após ser esfaqueado foi Keith Palmer, de 48 anos. Ele integrava o Serviço de Proteção Parlamentar e Diplomática da polícia de Londres, segundo a BBC. O ex-militar trabalhava havia 15 anos na corporação, era casado e tinha filhos.

Aysha Frade, de 43 anos, foi atingida pelo carro do agressor e lançada em direção a um ônibus. Ela ia se encontrar com as filhas no momento do ataque, de acordo com o jornal “Daily Mail”.

A terceira vítima foi um homem de meia-idade, que ainda não foi identificado.

Quarenta pessoas se machucaram no ataque – entre eles, três policiais. Uma mulher, gravemente ferida, foi retirada do Rio Tâmisa. Na manhã desta quinta, 29 pessoas permaneciam hospitalizadas, sendo que sete delas estão em estado grave.

Entre os feridos estão 12 britânicos e vários estrangeiros: crianças francesas, dois romenos, quatro sul-coreanos, um alemão, um chinês e dois gregos, de acordo com a primeira-ministra.

Condolências

A rainha Elizabeth II divulgou uma mensagem lamentando o ataque. “Meus pensamentos, minhas orações e minhas mais profundas condolências estão com todos aqueles que foram afetados pela terrível violência de ontem”, disse a monarca em comunicado.

O Papa Francisco também expressou sua profunda tristeza e sua solidariedade a todos os afetados pelo ataque. “Profundamente triste pela notícia da perda de vidas e das lesões causadas pelo ataque no centro Londres, Sua Santidade Francisco expressa sua solidariedade a todos os afetados por esta tragédia”, afirma a mensagem divulgada pelo escritório de imprensa do Vaticano, segundo a Efe.

Parlamento britânico voltou à atividade nesta quinta-feira (23) com um minuto de silêncio em memória das vítimas do atentado de quarta-feira (Foto: PRU/AFP)

Fonte:G1

Partilhe.

Sobre o Autor

Deixe uma resposta