? ºC Porto Velho - Ro
Noticia geral logo1

Geral

21/09/2018 14:13 Brenda S. N. Arruda Luz / Advogada inscrita na OAB/RO 7976

MODELOS GENÉRICOS DE CONTRATOS OBTIDOS NA INTERNET PODEM SER UM PESADELO PARA QUEM COMPRA IMÓVEIS

 

Quando surge o interesse por investir em imóveis, nossa preocupação inicial consiste em verificar o tamanho do terreno urbano ou do lote rural, estrutura física da edificação, e é claro, se o preço e condições de pagamento atendem às nossas expectativas e possibilidade financeira.

Porém, na hora de legalizar a conquista do imóvel, muitos compradores e vendedores se rendem à tentação de acessar a internet e fazer o próprio contrato de “compra e venda” com base em modelos de documento e/ou informações incompletas. Também há aqueles que optam por fazê-lo com pessoas que não possuem o conhecimento jurídico necessário para tal. Cuidado! Nos dois casos corre-se o risco de que o contrato não atenda às necessidades das partes, gerando possíveis graves consequências.

Fazer um contrato de compra e venda envolve diversos detalhes que podem passar despercebidos por falta de conhecimento das leis, por isso, é fundamental que ao adquirir um bem, o contrato que envolve a compra seja realizado de forma correta e segura.

Por exemplo: você sabe definir o que é capacidade civil, representação, assistência, ônus e sucessão? Consegue diferenciar e analisar como funciona a comunicação de bens em cada tipo de regime de casamento?

Não? Mesmo assim, não se preocupe. A solução é simples. Considere contratar um advogado para confeccionar o contrato de “compra e venda”. É o primeiro e fundamental passo para garantir que não haja problemas até a transferência definitiva do imóvel, tornando a transação segura.

Um bom exemplo de situação que ocorre de forma rotineira e é resultado de contratos elaborados por quem não está apto para tal, é a grande quantidade de pessoas que compraram imóveis de alguém que é casado, no entanto, apenas um dos cônjuges assinou o contrato e outorgou procuração com poderes para regularização do imóvel, outorga compulsória.

Diante disso, o comprador atualmente encontra-se impossibilitado de regularizar o imóvel, pois o vendedor está em lugar não sabido, ou seja, não consegue transferir a escritura para seu nome tão pouco registra-la, já que, dependendo do regime de casamento, a legislação exige a assinatura de ambos os cônjuges para a venda do imóvel.

Além do valor despendido pelo pagamento do imóvel, compradores nessa situação, terão que aumentar sua despesa para regularizar o bem através de ação judicial, o que também pode ser demorado.

O comprador, caso receba uma boa proposta e queria vender o bem, não consegue fazer.

Portanto, na hora de investir, procure um advogado especialista e evite que o sonho de adquirir o imóvel se torne um pesadelo.


0ef20102 c1a6 4c56 b59f 7f1b4e5dbf6a

WWW.NOTICIAGERAL.COM: Este site acompanha diversos editoriais. Todos as notícias veículadas aqui são tratatas como simples suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Não nos responsabilizamos por quaisquer comentários de nosso internautas.

 

 

Redes Sociais

Ntinferior

Endereço do site: Av, São Paulo N. 1379, Ji-paraná-Ro, Telefones. 9 9946-9606 / 9 8441-2532

E-mail: noticiageral.com@gmail.com

 

versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo