Alunos que voltaram às aulas presenciais estão mais animados, otimistas e interessados, diz Datafolha

Alunos que voltaram às aulas presenciais estão mais animados, otimistas e interessados, diz Datafolha

Redes municipais e estaduais de ensino voltaram a receber os alunos 100% presencialmente após quase dois anos de mudanças causadas pela pandemia. O impacto do retorno à escola, mesmo no modelo híbrido, já pode ser observado, como mostra uma pesquisa do Datafolha divulgada nesta quinta-feira (21).

O levantamento – encomendado por Itaú Social, Fundação Lemann e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) – ouviu 1.301 pais e responsáveis de todas as regiões do país entre 13 de agosto e 16 de setembro.

A pesquisa revelou que 87% dos estudantes que frequentam as aulas presenciais se sentem mais animados, segundo a visão dos pais. A parcela que afirmou que os filhos se sentem mais otimistas é de 80%, enquanto 85% acreditam que os alunos estão mais interessados pelos estudos.

O estudo ainda comparou os desafios enfrentados por alunos que voltaram a frequentar a escola presencialmente com aqueles que ainda não estão em atividades presenciais. Enquanto 58% dos alunos em aulas remotas estão desmotivados com os estudos, o número cai para 51% entre os que já voltaram à escola.

A evolução na aprendizagem dos dois modelos também foi observada: 56% dos pais e responsáveis sentem que os filhos estão evoluindo melhor nas aulas presenciais, enquanto apenas 41% dos que continuam em aulas remotas sentem a mesma coisa.

Outro ponto levantado pela pesquisa é a dificuldade de relacionamento com professores ou colegas, que atinge 19% dos alunos que frequentam as aulas digitalmente.

Desafios na rotina - pesquisa do Datafolha — Foto: Arte/g1

Desafios na rotina – pesquisa do Datafolha — Foto: Arte/g1

Para Daniel Bonis, diretor de Políticas Educacionais da Fundação Lemann, os resultados apontam que é importante e urgente a retomada das atividades presenciais nas escolas.

“(Os dados) também apontam para a necessidade de um esforço conjunto da sociedade para recuperar a confiança e a autoestima dos estudantes para que eles permaneçam na escola e possam recuperar mais rapidamente as defasagens no aprendizado geradas pela pandemia”, diz.

O que dizem os especialistas

A coordenadora de Inovação em Educação do Instituto Unibanco, Jane Reolo, defende o retorno presencial das aulas para os níveis básicos do ensino, mas diz que é preciso observar as crianças e adolescentes nos primeiros momentos.

“Se os protocolos de segurança forem seguidos, os riscos à saúde não devem ser maiores do que o que enfrentamos no dia a dia. No entanto, é necessário observar também o impacto psicológico que esta readaptação do convívio social causa nos alunos”, sugere.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Para ela, entender as dificuldades que os estudantes podem enfrentar na volta à escola, assim como as fragilidades que cada um pode apresentar é o único jeito de tornar a readaptação um processo saudável.

Bruno Mader, psicólogo infantil do Hospital Pequeno Príncipe, concorda. “As crianças precisam voltar à escola, retomar a rotina e o convívio escolar, até para evitar comprometimento a longo prazo da capacidade de socialização e aprendizagem”, afirma.

G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *