Área sob alerta de desmatamento na Amazônia Legal em junho foi a maior da série histórica, aponta Inpe

Área sob alerta de desmatamento na Amazônia Legal em junho foi a maior da série histórica, aponta Inpe

A área sob alerta de desmatamento na Amazônia Legal em junho foi de 1.062 km² da floresta, a maior para o mês o início de monitoramento do sistema Deter-B, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em 2016.

Junho é o quarto mês consecutivo em que os índices de desmatamento batem recordes históricos mensais. O período também conseguiu ultrapassar o recorde registrado em junho de 2020, quando 1.043 km² ficaram sob alerta (veja gráfico mais abaixo).

O primeiro semestre de 2021 também teve a maior área sob alerta de desmatamento em seis anos.

Além do desmatamento, a Amazônia enfrentou, no mês passado, o maior número de focos de queimadas em 14 anos para o mês de junho.

A Amazônia Legal corresponde a 59% do território brasileiro e engloba a área de 8 estados (AcreAmapáAmazonasMato GrossoParáRondôniaRoraima e Tocantins) e parte do Maranhão.

Área sob alerta de desmatamento na Amazônia Legal em junho (2016-21)

Os alertas de desmatamento foram feitos pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Inpe, que produz sinais diários de alteração na cobertura florestal para áreas maiores que 3 hectares (0,03 km²), tanto para áreas totalmente desmatadas como para aquelas em processo de degradação florestal (exploração de madeira, mineração, queimadas e outras).

O Deter não é o dado oficial de desmatamento, mas alerta sobre onde o problema está acontecendo. A medição oficial do desmatamento, feita pelo sistema Prodes, costuma superar os alertas sinalizados pelo Deter.

Os dados oficiais englobam agosto de um ano a julho do ano seguinte, por causa das variações do clima: com essa divisão do tempo, pesquisadores conseguem levar em conta o ciclo completo de chuva e seca na Amazônia, analisando como o desmatamento e as queimadas no bioma oscilaram dentro dos mesmos parâmetros climáticos.

Os últimos dados divulgados pelo Prodes apontaram que a área desmatada na Amazônia Legal foi de 11.088 km² na temporada de 2019 a 2020 (de agosto de 2019 a julho de 2020).

Desmatamento anual deve superar 10 mil km², dizem entidades

Tanto o Observatório do Clima, rede de 56 organizações da sociedade civil, como a ONG WWF Brasil afirmam, em notas, que os números de junho apontam que o país deve superar os 10 mil km² de desmatamento quando os números oficiais forem divulgados.

“O governo Bolsonaro perdeu duas décadas de combate ao desmatamento em dois anos. Provavelmente precisaremos de outras duas para recuperar o legado desse desmonte”, ressaltou Maurício Voivodic, diretor executivo do WWF-Brasil.

“A destruição da Amazônia e do Cerrado coloca em risco a segurança hídrica do país e, por consequência, nossa segurança energética, com sérias consequências para toda a economia. Essa provavelmente será a herança deste governo”, completou Voivodic.

Para o Observatório do Clima, “não há controle do desmatamento. O governo renunciou à obrigação de combater o crime ambiental. Além de discursos contra o Ibama e o ICMBio, Bolsonaro promoveu mudanças em normas e imobilizou a estrutura de fiscalização”.

O mês passado também marcou a queda do ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Salles é alvo de inquérito autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), por ter supostamente atrapalhado investigações sobre a maior apreensão de madeira da história brasileira.

O nome que substituiu Salles, Joaquim Álvaro Pereira Leite, ocupava o cargo de secretário da Amazônia e Serviços Ambientais do ministério. Antes, o agora chefe da pasta de Meio Ambiente foi conselheiro da Sociedade Rural Brasileira (SRB), uma das organizações que representam o setor agropecuário no país.

“Desde o início, o regime Bolsonaro sabota os órgãos de fiscalização ambiental e adota medidas para favorecer quem destrói nossas florestas. Os altos índices de desmatamento não ocorrem por acaso: são resultado de um projeto do governo. Bolsonaro é hoje o pior inimigo da Amazônia”, afirmou, em nota, Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

Exército na Amazônia é ‘caro’ e ‘ineficaz’, diz ONG

Em nota, o Greenpeace Brasil afirmou que, “apesar dos números crescentes, o governo federal insiste em manter uma operação cara e comprovadamente ineficaz em lidar com o problema, enviando as tropas militares” para combater o desmatamento na Amazônia.

“Esse tipo de operação vem, há dois anos, mobilizando recursos públicos muitas vezes superiores ao orçamento anual do Ibama para fiscalização e um grande número de militares sem efetividade na prevenção do desmatamento e queimadas”, diz a ONG.

“Além de não evitar o desmatamento, o próprio governo divulgou os 26 municípios onde atuarão as Forças Armadas, o que compromete o ‘elemento surpresa’ necessário para encontrar e punir criminosos”, pontuou o Greenpeace.

“Ao invés dos parlamentares estarem focados em conter os impactos da pandemia e combater o crime que avança na floresta, e que não só queima nossas riquezas naturais, mas também a imagem e a economia do país, eles tentam aprovar projetos que irão acelerar ainda mais o desmatamento, os conflitos no campo e a invasão de terras públicas”, afirmou Rômulo Batista, porta-voz da campanha Amazônia do Greenpeace.

Estados que mais desmataram

Queimada em área desmatada em Novo Progresso, no Pará, em agosto de 2020 — Foto: CARL DE SOUZA / AFP

Queimada em área desmatada em Novo Progresso, no Pará, em agosto de 2020 — Foto: CARL DE SOUZA / AFP

Pará foi, mais uma vez, o estado com maior área da Amazônia Legal sob alerta de desmatamento: 438 km², equivalente a 41,2% do total registrado em junho.

Na temporada passada, o estado concentrou quase metade de todo o desmatamento na Amazônia Legal, segundo o monitoramento do Prodes.

Em segundo lugar veio o Amazonas, com 220 km² sob alerta. Depois vieram Mato Grosso, com 177 km², e Rondônia, com 168 km². O Acre teve 46 km² sob alerta, o Maranhão, 9 km², Roraima, 2 km², e o Amapá e o Tocantins, 1 km² cada.

Fonte: https://noticiageral.com – com informações de G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *