Caminhoneiros estão divididos em relação à greve no domingo (25)

Caminhoneiros estão divididos em relação à greve no domingo (25)

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL) apóia a greve nacional dos caminhoneiros, que começa às 12h de domingo, 25.

“O Conselho Nacional de Transporte Rodoviário de Carga está organizando o protesto (CNTRC). Recomendamos que você se envolva nas ações, seja CNTL ou autônomo”, disse Carlos Alberto Litti Dahmer, secretário nacional de Políticas Sociais e Acessibilidade da CNTTL. .

A greve não deve terminar tão cedo, de acordo com Litti. “Não há previsão de conclusão. Cabe ao governo finalizar este movimento com as respostas da categoria”, referiu o director da CNTTL.

Segundo Litti, as reações dos caminhoneiros à interrupção das operações são comparáveis às vistas antes da greve de 2018. “Em termos de transparência, recepção da pauta pela categoria e infelicidade”, observou, “o movimento é bastante parecido com o anterior à greve de 2018”.

O principal item da pauta do movimento é a reconsideração da estratégia de precificação do óleo diesel da Petrobras. “Essa política precisa ser revista. O Brasil interrompeu a produção em 2018 devido ao preço do diesel de R $ 2,93 / litro. O diesel custa pelo menos R $ 4,30 o litro hoje, e o frete pago para o transporte de cargas é o mesmo de 2018: 60 % do custo do frete é gasto com combustível “n combustível”, disse Litti, lembrando que o Supremo Tribunal Federal ainda discute a constitucionalidade da política de piso mínimo para o transporte rodoviário.

“O STF é responsável por definir e julgar o piso de carga. Três anos se passaram, três anos se passaram e o piso ainda não foi instalado de forma adequada”, afirmou.

A falta de contratação de um instituto da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para fazer pesquisas e cálculos para reajuste do piso mínimo é outra fonte de frustração, segundo a CNTTL. “É fundamental que a agência apresente uma proposta para um novo instituto para monitorar o piso usando a abordagem legal. O contrato foi encerrado em janeiro e nenhum custo de insumos foi atualizado desde então”, afirmou.

Os dados foram atualizados recentemente pela ANTT na semana passada, levando em consideração o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Como as ações são prejudiciais, a categoria também exige que os transportadores rodoviários sejam incluídos em um regime especial de aposentadoria após 25 anos de serviço.

Segundo a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), o órgão não orientou seus associados sobre a adesão ou não à iniciativa.

“O direito do caminhoneiro de realizar a paralisação e a legalidade da paralisação é reconhecida por uma assembleia sindical. Não temos conhecimento de nenhuma iniciativa desse tipo de sindicatos filiados ao sistema da nossa Confederação até o momento”. o CNTA.

Os transportadores rodoviários, por outro lado, não estão todos em greve. Espera-se que o governo seja capaz de prever os atos anunciando medidas específicas para amenizar a situação. Segundo fontes, governantes estão se mobilizando nos bastidores para tentar chegar a um acordo com a categoria.

Na quinta-feira, vários delegados se reunirão com altos funcionários do governo. De acordo com um interlocutor, o assunto deve estar na pauta do show semanal do presidente Jair Bolsonaro, que acontece nas noites de quinta-feira.

Fonte: Mixrondonia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *