Caminhoneiros podem parar as atividades a partir de 1º de novembro em todo país

Caminhoneiros podem parar as atividades a partir de 1º de novembro em todo país

Entidades representantes dos caminhoneiros alertam para um possível desabastecimento de combustíveis por conta de cortes da Petrobras às distribuidoras.

Segundo o colunista Chico Alves, um comunicado encaminhado no último sábado (15) pela Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Autônomos (Abrava) informa aos motoristas que a diminuição da oferta nos postos fará os autônomos “sofrerem bastante”.

Se a redução do fornecimento continuar, o diesel pode precisar ser importado, “o que gerará um acréscimo no valor do litro próximo a R$ 0,60 (sessenta centavos) graças à política de paridade internacional de preço dos combustíveis que a Petrobras segue”, diz o texto.

O Chorão, Wallace Landim, presidente da Abrava (Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores) disse que o desabastecimento é “mais um motivo” para aderir à greve.

O diretor da CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística), Carlos Alberto Litti Dahmer, culpa a Petrobras não só pelo repasse aos consumidores, mas também por não usar a capacidade de suas refinarias.

“Temos uma refinaria vendida, na Bahia, e as outras sete refinando apenas 40% da sua capacidade. Então é preciso buscar isso fora, enquanto poderíamos ser praticamente autossuficientes”, acredita Dahmer. “É um crime o que vem sendo feito pelos governos nessa área”.

Segundo Chico Alves, Plinio Dias, presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), sugere uma solução simples para o problema. “O governo tem é que botar as refinarias a todo vapor que não vai faltar”, acredita. “Por qual motivo antes de 2017 a gente era autossuficiente em combustível e agora não é mais? Acabou a Petrobras?”.

Greve

No último domingo (17), os caminhoneiros prometeram greve de no mínimo 15 dias a partir do dia 1º de novembro , no entanto, graças à baixa adesão da última tentativa, após o feriado de Sete de Setembro, o governo não está acreditando na promessa dessa vez, informa o Estadão.

Ainda assim, a categoria promete entregar uma lista de reivindicações para o governo nesta segunda-feira (18).

Fonte: Painel Político

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *