Campanha para coletar DNA de familiares de desaparecidos termina nesta sexta (18) em RO

Campanha para coletar DNA de familiares de desaparecidos termina nesta sexta (18) em RO

Os familiares de pessoas desaparecidas têm até a sexta-feira (18) para comparecer na coleta de DNA realizada pela Polícia Técnico-Científica de Rondônia (Politec), em parceria com o Ministério Público Estadual (MP-RO). (Confira os endereços dos locais de coleta no final da reportagem).

O objetivo da ação é agilizar a procura por pessoas desaparecidas em todo território nacional. Em Rondônia, os pontos de coleta estão espalhados por nove cidades: Ariquemes, Jaru, Ji-Paraná, Cacoal, Rolim de Moura, São Miguel do Guaporé, Vilhena, Guajará-Mirim e Porto Velho.

Os pais de Eliana Martins se separaram quando ela tinha seis anos e no processo, ela e os irmãos foram morar com o pai. Atualmente, já adulta, ela já tentou reencontrar a mãe de muitas maneiras. Quando soube da campanha para coleta de DNA para encontrar pessoas desaparecidas, Eliana sentiu surgir algo que não sentia há tempos: esperança.

“Eu quero é ver que eu consigo ver ela, encontrar ela viva pra gente abraçar e cuidar dela”.

Eliana Martins não encontra com a mãe desde que tinha seis anos. — Foto: Armando Falcão

Eliana Martins não encontra com a mãe desde que tinha seis anos. — Foto: Armando Falcão

Vânia Alves também compareceu no ponto de coleta motivada pela esperança. O filho desapareceu em março e desde então a mãe já visitou hospitais, casas de amigos e até presídios em busca de alguma informação.

“Tomara Deus que encontre, vivo ou morto. O que eu quero é saber do paradeiro do meu filho”.

Como o programa funciona?

Os materiais coletados serão inseridos no Banco Nacional de Perfis Genéticos (BNPG). Além de gratuito, o procedimento é simples e indolor.

Caso uma pessoa desaparecida seja localizada, é possível fazer a identificação de quem são e onde se encontram os familiares, através do cruzamento de dados.

“Se a pessoa desaparecida já tiver um cadastro nesse banco de perfil genético e o familiar vier doar o seu material pra gente também lançar nesse banco de perfil genético, no confronto a gente vai poder localizar essa pessoa em qualquer lugar do país”, explica o diretor Instituto de DNA Criminal, Ralph Catrink.

Diretor Instituto de DNA Criminal, Ralph Catrink. — Foto: Armando Falcão

Diretor Instituto de DNA Criminal, Ralph Catrink. — Foto: Armando Falcão

Mais informações podem ser encontradas entrando em contato com a Politec, através do número (69) 3216-885.

Confira os endereços dos locais de coleta:

  • Porto Velho: Instituto de DNA Criminal (Politec), localizado na avenida Pinheiro Machado, 1858, bairro São Cristóvão;
  • Ariquemes: Coordenadoria Regional de Criminalística de Ariquemes, localizada na avenida Tancredo Neves, esquina com a Rua Novo Horizonte;
  • Jaru: Coordenadoria Regional de Criminalística de Jaru, localizada na rua Raimundo Cantanhede, 836 – Setor II;
  • Ji-Paraná: Coordenadoria Regional de Criminalística de Ji-Paraná, localizada na rua 22 de Novembro, 41, bairro Urupá;
  • São Miguel do Guaporé: Coordenadoria Regional de Criminalística de São Miguel do Guaporé, localizada na rua Maracatiara, 2230 , bairro Planalto;
  • Rolim de Moura: Coordenadoria Regional de Criminalística de Rolim de Moura, localizada na avenida Manaus, 5435;
  • Cacoal: Coordenadoria Regional de Criminalística de Cacoal, localizada na avenida Juscimeira, 215, bairro Novo Horizonte;
  • Vilhena: Coordenadoria Regional de Criminalística de Vilhena, localizado na rua Luiz Maziero, 4650, bairro Jardim América;
  • Guajará-Mirim: Coordenadoria Regional de Criminalística de Guajará-Mirim, localizada na avenida Duque de Caxias, 1720, bairro 10 de Abril.

Fonte: https://noticiageral.com – com informações de G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *