China avança em controle na vida privada sob chances de conflitos geracionais

China avança em controle na vida privada sob chances de conflitos geracionais

Mesmo para um Estado autoritário poderoso, a velocidade e o alcance com os quais o Partido Comunista Chinês expande seu alcance na vida privada da China têm apanhado muitos de surpresa.

Desde que comemorou seu centenário com grande alarde em julho, o partido impôs uma enxurrada de regulamentos dizendo ao povo chinês, especialmente à geração mais jovem, como viver sua vida cotidiana.

As novas e abrangentes regras ditam quanto tempo as crianças podem jogar videogames, quando e como os alunos podem fazer atividades extracurriculares, quais artistas e com que tipo de visual as pessoas podem assistir na TV e em que tipo de atividades os fãs podem participar para apoiar seus ídolos famosos.

China quer acabar com a cultura de trabalho excessivo no país

Estas políticas têm recebido diferentes graus de apoio público.

As duras restrições que limitam os menores a três horas de jogos de vídeo por semana têm sido aplaudidas por muitos pais que não sabem como refrear os hábitos de seus filhos. A proibição de celebridades masculinas “afeminadas” em espetáculos de entretenimento, por sua vez, tem atraído críticas generalizadas por promover estereótipos de gênero e discriminação.

As medidas são a última tentativa do presidente Xi Jinping de reafirmar o domínio do partido na formação da vida privada dos cidadãos chineses, marcando um significativo afastamento da direção mais despropositada que os líderes chineses tomaram nas últimas décadas.

A liberdade pessoal percorreu um longo caminho na China sob o domínio comunista. Durante o tumultuoso período do presidente Mao Tse Tung, o zelo revolucionário pelo coletivismo superou os desejos do indivíduo, levando muitas vezes a consequências devastadoras e mortais.

A expressão do individualismo foi praticamente extinta durante a Revolução Cultural, uma década obscura com convulsões sociais desencadeadas por Mao em 1966, quando o pensamento, a fala e até mesmo o traje foram restringidos.

Após a Revolução Cultural, que terminou apenas com a morte de Mao em 1976, a China se afastou da “luta de classes” e se concentrou em reformar e abrir sua economia. À medida que o partido desmantelava a economia planificada e atingia as empresas estatais, ele gradualmente se retirou da vida privada do povo chinês.

O rápido crescimento econômico e a crescente exposição ao mundo exterior apresentaram a muitos chineses uma variedade de novas opções de estilo de vida.

Embora o controle político tenha permanecido rígido, especialmente após a repressão da Praça Tiananmen em 1989, o partido ofereceu um grau sempre crescente de liberdades econômicas e sociais em troca da ausência de pluralismo político.

Sob Xi, porém, esse acordo não dito parece ter começado a vacilar, já que o Partido Comunista procura se reintegrar no centro da vida chinesa.

Os analistas dizem que a intrusão do partido na vida privada tem sido longa, seguindo seu aperto em praticamente todos os outros aspectos da sociedade chinesa e da economia nos últimos anos – desde na sociedade civil até o reinar nos gigantes tecnológicos do país.

“Agora com as regulamentações sobre entretenimento e assim por diante, parece que todo o reino das escolhas está se estreitando significativamente”, disse Dali Yang, professor de ciências políticas da Universidade de Chicago.

O Estado como pai

As políticas recentes estão fortemente tingidas de tons paternalistas e se concentram principalmente na juventude do país, as quais o partido vê como vítimas da busca gananciosa por lucros de empresas privadas e da influência indevida dos valores ocidentais.

No mês passado, um comentário da mídia estatal chamou os videogames de “ópio espiritual”, que dizia ter “um impacto negativo sobre a saúde física e mental dos menores”.

“‘O ópio espiritual’ cresceu e se tornou uma indústria que vale centenas de bilhões”, dizia o comentário. “Nenhuma indústria, nenhum esporte pode se desenvolver de forma a destruir uma geração. (Proteger) o crescimento de menores deve sempre vir em primeiro lugar”.

Semanas depois, o governo chinês proibiu os menores de jogarem jogos online nos dias de escola. A eles só é permitida uma hora de jogo entre 20h e 21h, na sexta-feira, fins de semana e feriados públicos.

Representantes do partido também têm denunciado a crescente popularidade das estrelas “sissy boy”, culpando as celebridades chinesas por importarem a “estética mórbida” do Japão e da Coreia do Sul.

Em 28 de agosto, o Guangming Daily, dirigido pelo Estado, criticou estrelas masculinas por aparecerem em dramas de ídolos e shows de variedades em “maquiagem pesada, roupas provocativas e aparência andrógina”, advertindo sobre sua “influência perniciosa no gosto estético dos jovens”.

O partido também tomou como alvo a indústria da tutoria privada, que ela culpava por empilhar a pressão excessiva sobre os estudantes e impedir que eles se tornassem crianças mais bem educadas.

Mas os críticos dizem que a repressão pouco fez para aliviar a ansiedade dos pais ou abordar a causa raiz da corrida de ratos acadêmicos – que é a escassez de boas escolas e universidades, em contraste com o enorme número de estudantes na China.

“O Estado está tentando assumir algumas das funções de ser pai de alguma forma, ajudando-os ou tentando ajudar”, disse Yang na Universidade de Chicago.

“Mas é claro que sabemos quão limitado (seu efeito) poderia ser a longo prazo, especialmente quando temos uma tremenda diferença geracional aqui”, acrescentou ele.

Ao contrário de Xi e seus colegas nascidos na era Mao, os jovens na China hoje cresceram com uma abundância de escolhas – liberdades que são difíceis de tirar uma vez que as pessoas se acostumaram a elas.

Jean-Pierre Cabestan, professor de ciências políticas na Universidade Batista de Hong Kong e especialista em política chinesa, disse que, se continuar, o microgerenciamento do partido nas vidas privadas deve gerar “faça muitos inimigos” entre as gerações mais jovens.

“Na época de Mao foi fácil, porque ele mobilizou os Guardas Vermelhos e o povo era fiel a ele, e a China estava isolada do mundo exterior. Não é mais o caso”, disse ele. “Portanto, eles têm que ser muito mais cuidadosos e seletivos ao se intrometerem na vida privada das pessoas, e eu acho que enfrentarão mais resistência”.

Embora seja improvável a discordância aberta, as pessoas sempre poderiam encontrar maneiras de contornar as regras e fingir o cumprimento, acrescentou ele.

Nova era de Xi

Wu Qiang, um analista político independente em Pequim, disse que as políticas são parte do esforço de Xi para lembrar a juventude chinesa de adequar os sucessores de sua nova era.

“Enquanto Xi se prepara para iniciar seu terceiro mandato no 20º Congresso do Partido no próximo ano, ele quer cultivar uma geração de jovens que lhe pertencem”, disse Wu.

Xi enfatizou anteriormente a importância de “unificar os pensamentos”, comparando o desenvolvimento de valores corretos durante a adolescência ao abotoar uma camisa: “Se o primeiro botão for feito errado, o resto será abotoado errado”.

Para cultivar a lealdade e o respeito ao partido – e ao próprio Xi – os estudantes das escolas primárias às universidades são obrigados a estudar a filosofia política de Xi a partir deste ano acadêmico.

Os cursos são uma matéria obrigatória no currículo, ministrados com uma série de livros didáticos independentes dedicados ao Pensamento de Xi Jinping sobre Socialismo com Características Chinesas para a Nova Era.

O presidente da China, Xi Jinping
O presidente da China, Xi Jinping / Foto: Carlos Garcia Rawlins / Reuters

Isso levou a comparações com a Revolução Cultural, quando o culto à personalidade ao redor de Mao atingiu um estado frenético, com os jovens do país estudando fervorosamente sua sabedoria nas citações de Mao Tse Tung — conhecido como o “Pequeno Livro Vermelho”.

Mas ao contrário de Mao, que encorajou os jovens Guardas Vermelhos a atacar o estabelecimento do partido e desencadear o caos em todo o país, Xi quer que os jovens “escutem o partido, sigam o partido” e se tornem uma força construtiva para alcançar sua ambição de restaurar a China a sua posição como uma grande potência global.

“O futuro pertence à juventude”, disse Xi em um discurso marcando o centenário do partido na Praça Tiananmen, em Pequim, em 1º de julho.

“A juventude chinesa da nova era deve ter o rejuvenescimento da nação chinesa como sua missão, fortalecer a ambição e a confiança de ser chinês, e não pode decepcionar as expectativas do partido e do povo”, disse ele.

Fonte: https://noticiageral.com – com informações de  CNN Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *