Cientistas dos EUA avançam em novo tipo de vacina contra gripe

Cientistas dos EUA avançam em novo tipo de vacina contra gripe

Um grupo de cientistas da Universidade do Estado da Georgia, nos Estados Unidos, obteve resultados animadores em uma pesquisa de uma vacina que promete ser mais eficiente na prevenção da gripe.

O estudo — publicado na revista PNAS, da Academia Nacional de Ciência dos Estados Unidos — revela uma vacina contra o vírus influenza aplicada por spray nasal.

A via de administração não é novidade, mas os autores salientam a dificuldade de conseguir proteção satisfatória nesse tipo de aplicação.

“Essas vacinas são pobres em produzir respostas imunológicas, por isso é necessário ter adjuvantes mucosos potentes, substâncias que aumentam a resposta imunológica do corpo aos antígenos (as estruturas moleculares dos patógenos). A ausência de adjuvantes mucosos apropriados atualmente dificulta o desenvolvimento de tal vacina”, dizem em comunicado.

Eles conseguiram, todavia, criar uma vacina intranasal usando uma proteína presente na superfície do vírus influenza que é fundamental para que ele cause a infecção, a HA (hemaglutinina recombinante).

Os pesquisadores ainda desenvolveram um nanomaterial bidimensional (nanopartículas de óxido de grafeno funcionalizadas com polietilenoimina) que se mostrou um excelente adjuvante para a vacina.

“Pesquisas recentes demonstram que as respostas das células T residentes nos pulmões são indispensáveis ​​para uma proteção cruzada ideal contra a infecção pulmonar por influenza. O desenvolvimento de respostas de células T residentes nos pulmões exige a vacinação por via respiratória ou infecção pelo vírus influenza. Nossa pesquisa abre um novo caminho para o desenvolvimento de vacinas intranasais sem agulhas e logisticamente simplificadas contra a gripe para proteção cruzada”, afirmou em nota o pesquisador principal do estudo, Chunhong Dong.

Vacinas em spray intranasal são apontadas como o futuro da imunização contra doenças respiratórias por serem potencialmente capazes de induzir respostas de defesa do organismo nas mucosas das vias respiratórias, o que evitaria a infecção nos locais de entrada dos vírus.

Além disso, a vacina em estudo também pode ser capaz de prevenir contra uma gama maior de vírus da gripe, algo que as atuais não conseguem.

O trabalho da equipe continua, já que os primeiros testes foram feitos em camundongos e em cultura de células.

A gripe sazonal mata entre 290 mil e 650 mil pessoas em todo o mundo anualmente, segundo estimativas da OMS (Organização Mundial da Saúde). As principais vítimas são crianças, idosos e indivíduos imunocomprometidos.

Fonte: https://noticiageral.com – com informações de R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *