Com apoio do Brasil, ONU aprova resolução contra a Rússia; ataques prosseguem na Ucrânia

Com apoio do Brasil, ONU aprova resolução contra a Rússia; ataques prosseguem na Ucrânia

Com apoio do Brasil, a Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou na tarde desta quarta-feira (2) uma resolução contra a invasão russa à Ucrânia. No sétimo dia da guerra, os russos prosseguem com os ataques em diversas cidades ucranianas.

A reunião foi convocada pelo Conselho de Segurança e feita de forma emergencial para discutir a situação no Leste Europeu. Para a aprovação, foi necessário maioria de 2/3 dos votantes. Foram 141 votos a favor, cinco contrários e 35 abstenções.

Além da votação na ONU, uma nova rodada de negociações entre os dois países foi confirmada para hoje, segundo um assessor do governo ucraniano. No começo da tarde (horário de Brasília), a delegação russa já havia chegado no ponto de encontro em Belarus, onde aguardaria os negociadores ucranianos.

A primeira conversa entre as delegações após o início dos ataques ocorreu na segunda-feira (28) e teve duração de cinco horas, mas terminou sem um avanço. Na terça-feira (1º), o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que a Rússia deve parar o bombardeio de cidades ucranianas antes que as negociações possam ocorrer.

Ainda nesta quarta, porém, o departamento de polícia regional de Kharkiv e a Universidade Nacional de Kharkiv foram alvo de um ataque militar, de acordo com o Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia e imagens geolocalizadas pela CNN. O conselho da cidade de Mariupol também disse que a cidade ao sul estava sob controle ucraniano, mas travada em batalhas com tropas russas.

O Ministério da Defesa russo também anunciou nesta quarta que as forças armadas tomaram a cidade de Kherson. Autoridades ucranianas rebateram e afirmaram que ainda estão no controle da região, que fica ao sul.

Na terça-feira (1º), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou o fechamento do espaço aéreo americano para a Rússia – isolando ainda mais o país de Vladimir Putin.

Destaques das últimas 24 horas

  • ONU aprova resolução contra invasão da Rússia na Ucrânia
  • Rússia e Ucrânia terão 2ª rodada de negociações
  • O total de refugiados que deixaram a Ucrânia desde o início da guerra é de quase 836 mil, diz ONU
  • Mais de 2 mil ucranianos já morreram, diz serviço de emergência estatal; conselheira do país na ONU menciona 352 óbitos
  • Ministério da Defesa russo diz que 498 soldados morreram, enquanto 1.597 estão feridos
  • OMS informa que suprimentos médicos para Ucrânia chegam na quinta-feira (3)
  • Em vídeo divulgado nesta quarta, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, afirmou que “a Rússia quer acabar com o nosso país e com a nossa história”
  • O departamento de polícia regional de Kharkiv e a Universidade Nacional de Kharkiv foram alvo de um ataque militar nesta quarta
  • Ministério da Defesa da Rússia afirmou que as forças armadas do país tomaram a cidade de Kherson, no sul da Ucrânia – autoridades ucranianas negam
  • Na terça-feira (1º), Biden anunciou o fechamento do espaço aéreo americano para a Rússia e disse que Vladimir Putin está ainda mais isolado

Números da guerra

Mais de 2.000 civis ucranianos foram mortos até esta quarta-feira durante a invasão da Rússia, segundo o Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia.

Outras informações sobre as vítimas circulam simultaneamente. Em um discurso no Conselho de Direitos Humanos da ONU, a representante da delegação ucraniana afirmou que pelo menos 353 ucranianos haviam sido mortos — entre eles, 16 crianças.

Segundo último informe da agência de Direitos Humanos das Nações Unidas, os números eram outros — apesar da ponderação de que poderiam ser “muito maiores” de antemão. Neste levantamento, foi constatado que pelo menos 136 civis foram mortos, incluindo 13 crianças, e 400 ficaram feridos.

O número de soldados russos mortos no conflito foi de 498, segundo o Ministério da Defesa da Rússia. Também há outros 1.597 feridos até o momento. A Ucrânia, por outro lado, aponta 7 mil mortes de soldados russos.

Zelensky sobre resolução da ONU: “Vocês escolheram o lado certo da história”

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky comemorou, nas redes sociais, a aprovação da resolução crítica à invasão russa pela maioria dos países da ONU.

“Eu louvo a aprovação da Assembleia Geral da ONU com uma maioria sem precedentes de votos a uma resolução com fortes exigências à Rússia para que pare imediatamente o ataque traiçoeiro a Ucrânia. Sou grato a todos e a todos os estados que votaram a favor”, escreveu Zelensky.

“Os resultados destrutivos da votação mostram de forma convincente que uma coalizão global anti-Putin foi formada e está funcionando. O mundo está conosco. A verdade está do nosso lado. A vitória será nossa”, concluiu.

Brasil justifica voto a favor de resolução da ONU

O Brasil votou a favor da resolução da ONU que condenou os ataques à Rússia. Na justificativa, o embaixador brasileiro nas Nações Unidas, Ronaldo Costa Filho, disse que a resolução, porém, não vai “longe o suficiente” para uma paz sustentável.

“A paz exige a retirada de tropas e um trabalho amplo das partes. A resolução não pode ser entendida como algo que permita a aplicação indiscriminada de sanções”, afirmou. “Pedimos a todos os atores que o engajamento em um acordo diplomático”, acrescentou.

ONU: quase 836 mil refugiados deixaram a Ucrânia

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados disse, nesta quarta (2), que 835.928 refugiados deixaram a Ucrânia desde 24 de fevereiro. Mais da metade deles (453.982) fugiram pela Polônia. Outros 116.348 foram para a Hungria, afirma o ACNUR.

Outras 96.000 pessoas se mudaram para a Federação Russa das regiões de Donetsk e Luhansk entre 18 e 23 de fevereiro. Essas duas regiões são controladas por separatistas apoiados pela Rússia. O Kremlin, em fevereiro, os reconheceu como estados independentes.

Fonte: CNN

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.