Decreto determina que primeira dose da vacina deve ser aplicada em até 72h após recebimento

Decreto determina que primeira dose da vacina deve ser aplicada em até 72h após recebimento

“As vacinas contra covid-19 fornecidas pelo Governo de Rondônia, previstas na primeira dose, devem ser aplicadas em até 72 horas do recebimento”, afirma o item 7 do Decreto 26.134, que orienta os municípios do estado a tomarem medidas de combate à pandemia. O governador Marcos Rocha baixou o decreto em 17 de junho e revoga o número 25.859, expedido em 6 de março de 2021.

Já as vacinas para a segunda dose devem ser administradas de acordo com o esquema estabelecido na primeira aplicação. Ivo Barbosa, coordenador estadual de Imunização da Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa), alerta: “É fundamental uma coordenação cuidadosa dos municípios quanto à segunda dosagem”.

“Quando o Governo de Rondônia manda as vacinas, inclui um papel que especifica se é para a primeira ou segunda dose. É indicada a mesma quantidade dos enviados para a primeira dose (nas agendas anteriores), junto com o relatório técnico e com clareza o grupo que vai comparecer ”, explica Ivo Barbosa.

O artigo 7º também afirma que o Poder Executivo Municipal é responsável pela administração dos imunizantes disponíveis de acordo com o Plano Nacional de Imunizações (PNI), o que implica que não cabe ao Estado a administração obrigatória das doses, mas sim aos municípios de Rondônia.

Outra seção do decreto especifica que os registros devem ser apresentados ao Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI / PNI) assim que o agente imunizante for aplicado.

Também esclarece que se os municípios carecem de salas de vacinas informatizadas ou rede de internet, ou se as atividades de vacinação são realizadas fora da campanha – por exemplo, em áreas rurais – devem registrar os dados nominais e individuais em formulários em até 24 horas para posterior registro em o Sistema de Informação.

“É fundamental registrar a vacina no sistema porque é por meio dessas informações que podemos dar transparência ao que as equipes de saúde fazem nas comunidades. Segundo Edilson Silva, Diretor Executivo da Agevisa, “o cadastro das informações é um item fundamental para que o Ministério da Saúde transmita as doses ao Estado”.

Por fim, o artigo menciona que a Controladoria Geral do Estado (CGE), a Agevisa e as Administrações Regionais de Saúde (GRS) implementariam as medidas necessárias para monitorar, fiscalizar e divulgar as vacinas recebidas e aplicadas em Rondônia em tempo real, em área pública. .

Fonte: Mixrondonia.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *