É falso que Bolsa Atleta aumentou de R$ 1 mil para R$ 8 mil?

É falso que Bolsa Atleta aumentou de R$ 1 mil para R$ 8 mil?

Circula no WhatsApp a informação de que 80% dos atletas brasileiros que participaram das Olimpíadas de Tóquio recebem do governo federal o Bolsa Atleta. A publicação também informa que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aumentou esse benefício para os esportistas durante a pandemia do novo coronavírus. De R$ 1 mil, o Bolsa Atleta teria passado a R$ 8 mil. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

“80% dos brasileiros na Olimpíada de Tóquio recebem Bolsa Atleta do Governo Federal”
T
exto em post que circula em grupos de WhatsApp 

A informação analisada pela Lupa é verdadeira. Segundo o governo federal, dos 302 atletas que participaram dos Jogos Olímpicos de Tóquio, 242 recebem o Bolsa Atleta — o que corresponde a 80% dos convocados.  


“Bolsonaro aumentou o bolsa atleta de R$ 1.000,00 para R$ 8.000,00”
Texto em post que circula em grupos de WhatsApp 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Jair Bolsonaro não aumentou o valor do Bolsa Atleta durante a pandemia do novo coronavírus. Diferentemente do que sugere a publicação, esse programa não tem reajuste desde 2010. Além disso, em 2020, durante a pandemia, o governo não lançou o edital anual da bolsa. Com isso, os esportistas ficaram sem receber por meses. Em agosto do ano passado, o Ministério da Cidadania anunciou que publicaria o edital somente em janeiro de 2021. 

O Bolsa Atleta foi criado em 2005 como instrumento de apoio financeiro direto a esportistas. O benefício tem quatro categorias principais com valores definidos para cada uma: atleta de base (R$ 370), estudantil (R$ 370), nacional (R$ 925), internacional (R$ 1.850), olímpico/paralímpico (R$ 3.100) e pódio (R$ 5 mil a R$ 15 mil). Até 2018, os recursos eram provenientes de uma parte do orçamento do Ministério do Esporte, pasta que foi extinta em 2019 e passou a integrar o Ministério da Cidadania com o status de Secretaria Especial do Esporte (SEE). 

O Bolsa Atleta não tem qualquer relação com o Bolsa Auxílio, oferecido a atletas de rendimento não profissional por meio de recursos da Lei de Incentivo ao Esporte. Em 2020, esse benefício de fato teve o teto revisto. Depois de cortes, proibição e volta do programa a um valor de R$ 1 mil, a SEE, por fim, publicou uma portaria aumentando o teto desse programa para R$ 8 mil. 

Diferentemente do Bolsa Atleta, o Bolsa Auxílio tem recursos provenientes de dedução fiscal, ou seja, permite que empresas e pessoas físicas invistam parte do que pagariam de imposto em projetos esportivos. 

Vale pontuar, ainda, que o incentivo ao esporte no Brasil diminuiu nos últimos anos. Uma reportagem do El País mostrou que ocorreram cortes de verba e sucateamento do Bolsa Atleta. O próprio Ministério do Esporte foi extinto em janeiro de 2019, quando Bolsonaro assumiu a presidência, transformado-o em secretaria subordinada ao Ministério da Cidadania.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *