É falso que casos de pneumonia bacteriana estão aumentando em razão do uso de máscaras?

É falso que casos de pneumonia bacteriana estão aumentando em razão do uso de máscaras?

Circula nas redes sociais a informação de que um médico teria alertado que o número de casos de pneumonia bacteriana está aumentando. O post sugere que isso se deve ao uso de máscaras, peça recomendada durante a pandemia da Covid-19 como proteção contra o novo coronavírus. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado

. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

“Médico Avisa Que ‘Pneumonias Bacterianas Estão Aumentando’ Devido ao Uso de Máscara”
Texto em post no Facebook que, até as 12h do dia 29 de outubro de 2021, tinha mais de 1,3 mil compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. De acordo com o DataSUS, base oficial de dados e informações sobre saúde no Brasil, o número de casos de pneumonia vem diminuindo em relação aos últimos anos — e não aumentando. Em agosto deste ano – dado mais recente disponível –, foram registradas 25.917 internações pela doença (a plataforma não faz distinção entre pneumonia bacteriana ou viral). Nos meses anteriores (março, abril, maio, junho e julho ), por exemplo, a média era ligeiramente maior, porém estável: cerca de 27 mil casos. Se comparados os dados de agosto de 2019 e agosto de 2018, ou seja, antes da pandemia, o número de internações por pneumonia era mais que o dobro do dado mais recente. 

Em agosto de 2018, foram 58.953 casos. Em 2019, o DataSUS registrou 58.895 internações nesse mesmo período. Em agosto de 2020, quando o país enfrentava a pandemia e o uso de máscaras já era obrigatório, as internações pela doença também foram menores se comparadas aos dois anos anteriores: 28.081 casos. 

Também não é verdade que máscaras possam causar esse tipo de doença. Diferentemente do que sugere a publicação, a peça ajuda a proteger o organismo contra doenças respiratórias. O pneumologista André Nathan, membro da Comissão de Infecção da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), confirmou, por telefone, que não existe nenhum dado compilado pela SBPT que indique aumento de pneumonia. Segundo o especialista, não existe sequer plausibilidade biológica que justifique a relação dessa doença com o uso de máscara.  

“Do ponto de vista de mecanismos de defesa ou de infecção respiratória, essa afirmação não faz sentido: um anteparo na frente da mucosa da boca e do nariz que permite a ventilação, mas faz uma barreira contra vírus, não tem como aumentar o risco de infecção bacteriana”, informou. Nathan ponderou ainda que o uso de máscaras reduz a incidência de doenças respiratórias virais, como a Covid-19, por exemplo, e em consequência acaba reduzindo infecções bacterianas também. 

O médico ainda explicou que pneumonia bacteriana não se “pega”, mas se desenvolve, e infecções virais como gripe ou Covid-19 podem aumentar o risco de desenvolver essa doença. “Uma infecção bacteriana em geral é provocada por bactérias que ‘moram’ no organismo e que, em razão de algum desequilíbrio — no sistema imune, por exemplo — se proliferam mais e geram a infecção”, disse. Esse processo não é potencializado ou estimulado pelo uso das máscaras.

Vale pontuar que quando se utiliza a mesma máscara várias vezes, ela perde a função. “Por isso é importante trocar. Se uma pessoa utiliza a mesma máscara durante vários dias, se a peça molhar e eventualmente mofar, é claro que faz mal para as vias aéreas respirar esse bolor. Mas o problema é a falta de higiene, e não a peça em si”, acrescentou o pneumologista. 

Desde o começo da pandemia, a eficácia das máscaras como proteção contra o novo coronavírus vem sendo distorcida e sendo alvo de conteúdos falsos. Em junho deste ano, a Lupa desmentiu um vídeo que falsamente informava que o uso da peça poderia provocar doenças neurodegenerativas, o que não é verdade. 

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.

Fonte: Lupa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *