É falso que corpo de Eliza Samudio foi encontrado ‘depois de 11 anos’?

É falso que corpo de Eliza Samudio foi encontrado ‘depois de 11 anos’?

Circulam nas redes sociais diversas publicações afirmando que o corpo de Eliza Samudio, modelo que foi assassinada pelo goleiro Bruno Fernandes em 2010, teria sido encontrado depois de 11 anos. O texto é acompanhado de imagens de uma ambulância e de pessoas reunidas ao redor do que parece ser um cadáver ao lado de um lago. As publicações incluem um link para sites que afirmam que uma suposta médium teria revelado que o corpo de Samudio não seria encontrado, porque Fernandes teria jogado soda cáustica sobre os restos mortais. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse conteúdo fosse analisado. Confira o trabalho de verificação da Lupa:

Após 11 anos, mulher revela localização do corpo de Eliza Samudio: ‘Por isso nunca encontraram’

Texto que circula no Facebook e, até as 12h de 18 de maio de 2022, tinha mais de 58 mil interações 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. As fotografias que acompanham as publicações não têm qualquer relação com o assassinato. A ex-modelo Eliza Samudio foi morta em junho de 2010, aos 25 anos, e seu corpo jamais foi encontrado. A informação foi confirmada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, por telefone, e pela advogada da família de Samudio.

Uma busca reversa de imagens no Google mostra que as cenas que circulam pelas redes sociais foram publicadas pela primeira vez pelo portal de notícias Jaumais, que divulga notícias da região do município de Jaú, no interior de São Paulo. As fotos mostram o momento em que uma equipe do Corpo de Bombeiros encontrou o corpo de um adolescente de 16 anos que havia se afogado na região conhecida como prainha de Igaraçu do Tietê, em 28 de fevereiro deste ano. A notícia também foi publicada pelo G1.

A mãe de Samudio, Sônia Fátima Moura, classificou as afirmações como “fake news”. “É tudo fake news, eu estou tentando combater isso faz anos. Eu estou cansada disso. São pessoas que querem ganhar dinheiro em cima da desgraça e o nome da minha filha”, disse, por telefone. A advogada da família, Monica Castro, também classificou as publicações como mentirosas: “O corpo não foi encontrado, isso é um boato”.

Dados do CrowdTangle, ferramenta utilizada para medir a audiência nas redes sociais, mostram que, apenas em maio de 2022, 268 publicações foram feitas com a frase analisada. No total, foram mais de 58 mil interações nesses posts. Muitas vezes, os comentários das publicações não têm nenhuma relação com o caso de Samudio. Isso acontece porque as páginas fazem posts humorísticos e, depois de atingir um certo número de curtidas e comentários, modificam o conteúdo para divulgar o link da suposta reportagem.

Sites de clickbait

Todas as publicações com a frase e a fotografia analisadas têm links que levam para reportagens publicadas por dois sites. De acordo com o CrowdTangle, são mais de 16 mil publicações com links para essas páginas que, juntas, reúnem mais de 1,8 milhão de interações no Facebook. Grande parte está distribuída em grupos públicos ou em páginas religiosas, de receitas ou de maternidade. Os sites utilizam a técnica conhecida como clickbait, que consiste em usar frases e imagens de impacto para gerar curiosidade nos leitores, fazendo com que cliquem no link. Com isso, geram tráfego e lucram com anúncios.

Ao acessar os links das publicações, o leitor é levado para um site repleto de publicidade. O texto, com seis parágrafos, mistura informações sobre o caso com especulações. Diz que várias versões para o desaparecimento de Samudio foram contadas ao longo dos anos, inclusive que ela teria fugido para Bolívia e para a Espanha, e que uma médium chamada Lene Sensitiva disse que não seria possível encontrar o corpo de Samudio, porque Bruno teria “jogado soda cáustica” nas partes do corpo da modelo.

A advogada Monica Castro disse que entrou em contato com alguns sites e pediu para que retirassem do ar as publicações. De acordo com ela, eles teriam se comprometido a fazer isso, mas ainda é possível encontrar as matérias. Castro também entrou em contato com Lene Sensitiva no ano passado para pedir que o assunto não fosse mais explorado. “Expliquei também no sentido da dor que a família sente cada vez que vê esse tipo de informação na mídia. Ela entendeu, foi tudo extrajudicial, informal, mas ela se comprometeu a não explorar mais esse tipo de assunto”, disse a advogada.

A morte de Eliza

Eliza Samudio e Bruno Fernandes mantiveram um relacionamento em 2009. No mesmo ano, ela prestou queixa contra o jogador na Justiça carioca por agressão e porque o goleiro queria forçá-la a abortar. Depois do nascimento da criança, Samudio queria que Fernandes assumisse a paternidade. Com esse pretexto, ela foi até o sítio do jogador em junho de 2010 e nunca mais foi vista. O corpo dela não foi localizado até hoje.

Fernandes foi preso em julho e respondeu por homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver. Ele foi condenado a 20 anos e nove meses de prisão pelo homicídio, pelo sequestro e pelo cárcere privado. A pena para ocultação de cadáver foi extinta porque a Justiça entendeu que o delito prescreveu. Outros envolvidos também foram condenados. Em julho de 2019, Fernandes progrediu para o regime semiaberto. Em abril de 2022, sua defesa entrou com um pedido de liberdade condicional, ainda não julgado. Atualmente, ele tem uma loja de açaí em São Pedro D’Aldeia (RJ).

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌

Lupa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *