Grãos registram alta no mercado nacional e internacional

Grãos registram alta no mercado nacional e internacional

Reflexos do clima na América do Sul e demanda valorizaram as cotações da soja e milho em Chicago e no mercado interno.

Milho

O milho seguiu hoje com movimento de alta no mercado interno encerrando o dia com a cotada em R$ 84,90/sc em São Paulo, valorização de 1,1% em relação a ontem.

Na B3 todos os contratos futuros registraram valorização, com destaque para julho/21 que encerrou o pregão cotado a R$ 82,70/sc, 1,03% superior ao dia anterior. A principal justificativa para esta valorização na B3 segue sendo o atraso da semeadura do milho 2ª safra.

As cotações do cereal em Chicago também estão com tendência de alta no 1º semestre suportada pela demanda internacional (observando o comportamento de compras chinesa) e riscos climáticos na América do Sul (atraso da semeadura da 2ª safra brasileira). Desta forma, o contrato na CBOT com vencimento para maio/21 registrou valorização de 0,36% na terça-feira, ficando cotado a US$ 5,53/bu.

Boi gordo

O cenário do mercado físico do boi gordo não mudou no final da terça-feira. O preço do animal continua estabelecido acima dos R$ 300,00/@, e em algumas praças paulistas a referência se aproxima dos R$ 305,00/@. Ainda assim, os frigoríficos seguem com dificuldade em cumprir suas programações de abates, mantendo as escalas encurtadas.

No mercado atacadista e no varejo, o mercado seguiu com baixa liquidez, com as indústrias relatando dificuldades em repassar os aumentos do boi gordo, com isso a carcaça casada de boi ficou cotada a R$ 18,00/kg.

A B3 segui a tendência do mercado físico, operando próximo a estabilidade. Mesmo com pressão baixista exercida pelos frigoríficos, que não conseguem alongar suas programações de abate, o mercado do boi gordo seguiu firme. O contrato com vencimento para março/21 valorizou 0,15%, finalizando o dia cotado a R$ 300,35/@. Já os futuros para outubro/21 já figuram próximo dos R$ 300,00/@.

Soja

A oleaginosa encerrou o dia com valorização de 1,4% em Paranaguá/PR, atingindo R$ 166/sc. A movimentação da soja no mercado interno foi sustentada pela consolidação do dólar acima dos R$ 5,44 e também por conta da movimentação positiva em Chicago.

Na Bolsa de Chicago, todos os contratos futuros para 2021 e 2022 encerraram o pregão com valorização em comparação a segunda-feira. O vencimento mais negociado atualmente na CBOT (maio/21) fechou o dia cotado a US$ 14,09/bu, com alta de 1,51%.

A apreensão de que os EUA tenham que importar soja nos próximos meses em conjunto com o atraso da colheita no Brasil impulsionaram a soja para cima dos US$ 14,00/bu novamente, fato que não ocorria há 14 dias.

Fonte: Agrifatto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *