O que fazer quando o patrão não paga os direitos trabalhistas?

O que fazer quando o patrão não paga os direitos trabalhistas?

Inicialmente, o prazo para pagamento da rescisão trabalhista é de 10 dias corridos, independente se a dispensa foi sem justa causa ou por justa causa.

Sabemos que na realidade, muitas empresas não cumprem com as suas obrigações trabalhistas e acabam pagando o acerto trabalhista do seu funcionário após o prazo estipulado pela CLT, ou ainda, deixam de pagar com o argumento que a empresa está passando por problemas financeiros.

Ainda, algumas empresas parcelam a rescisão do trabalhador, sem saber se isso é da vontade do trabalhador ou não.

Entretanto, essa prática não está correta e é sobre isso que vamos conversar no artigo de hoje.

1) Quais são os direitos trabalhistas do trabalhador demitido sem justa causa?

As verbas rescisórias devidas na demissão sem justa causa são:

  • Aviso prévio;
  • 13º salário proporcional;
  • Férias proporcionais ou vencidas + 1/3;
  • Saldo de salário;
  • FGTS + 40%;
  • Habilitação no seguro desemprego (desde que preencha os requisitos do Ministério da Economia).

2) Quais são os direitos trabalhistas do trabalhador demitido por justa causa?

Já no caso da demissão por justa causa, o empregado quase não recebe as verbas trabalhistas, diante de alguma falta grave cometida na empresa.

As verbas rescisórias devidas são:

  1. Saldo de salário;
  2. Férias vencidas + 1/3, se houver.
  3. 13º salário vencido, se houver.

3) O que fazer se a empresa não paga os direitos trabalhistas?

Para começar, a empresa tem o prazo de 10 dias para efetuar o pagamento das verbas rescisórias do funcionário que foi dispensado do trabalho.

Caso ela não cumpra esse prazo, o empregado tem o direito de receber 01 multa equivalente ao seu salário recebido na empresa.

Após ter ocorrido esse atraso no pagamento do acerto, o ex-empregado precisa buscar os seus direitos trabalhistas, por meio de uma ação judicial.

Se ele tiver direito de receber o seguro desemprego, bem como de sacar os valores que estão no FGTS, ele pode pedir uma liminar para que o Juiz analise o pedido do seguro desemprego e FGTS com certa urgência.

Assim, ele não ficar ter que ficar esperando o processo todo acabar para que tenha acesso ao seguro desemprego pelo menos.

4) O patrão pode parcelar o pagamento da rescisão trabalhista?

Não!

Não existe na CLT a possibilidade do parcelamento das verbas rescisórias sem um acordo judicial, por exemplo.

Se ainda sim, o patrão fizer o parcelamento por conta própria, ele terá que arcar com a multa do artigo 477 da CLT, que equivale a um salário do empregado.

5) Conclusão

No texto de hoje analisamos a importância do patrão efetuar o pagamento das verbas rescisórias no prazo de 10 dias, bem como as consequências jurídicas que ele pode sofrer caso não efetue o pagamento do acerto trabalhista para o funcionário que foi demitido.

É muito importante o trabalhador estar por dentro da Legislação Trabalhando, sempre assegurando que os direitos e obrigações trabalhistas estão sendo cumpridas no seu contrato de trabalho.

Ficou com alguma dúvida? Pode mandar nos comentários que irei te responder. É muito bom interagir com vocês, leitores.

Gostou do conteúdo? Não se esqueça de recomendar, isso é muito importante para mim!

Caso você queira continuar conversando comigo sobre esse assunto, estou disponível no e-mail: tainaferreira.adv@gmail.com ou por meio do perfil no Instagram @tainaferreira.adv

Tainá Jorgea da Silva Ferreira, Advogado

Tainá Jorgea da Silva FerreiraAdvogada com atuação em Direito e Processo do Trabalho. Atuação Presencial em Varginha e Santana da Vargem, Minas Gerais. Atua também em todo o Brasil através de atendimento online. WhatsApp: (35) 99740-1592 E-mail: tainaferreira.adv@gmail.com contato@tainaferreira.adv.br

Fonte: https://noticiageral.com – com informações de Jusbrasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *