Primeiras chuvas animam agricultores e plantio da soja começa em Rondônia

Primeiras chuvas animam agricultores e plantio da soja começa em Rondônia

Os produtores de soja se animaram com as primeiras chuvas registradas em vários municípios de Rondônia entre a segunda quinzena de setembro e começo de outubro. Com o fim do período de estiagem, em muitas propriedades o plantio já começou.

Em entrevista à Rede Amazônica, o pesquisador Vicente Godinho, da Embrapa, diz que Vilhena (RO) é um dos municípios onde já ocorre a semeadura da soja para a safra 2021/2022.

“Com o término do vazio sanitário em setembro, as propriedades começaram a plantar e algumas delas já está com o trabalho bem avançado. Existe propriedade que já teve mais de 200 milímetros de chuva em Vilhena. O plantio também já começou em Cerejeiras e Cabixi”, disse.

Ainda segundo Godinho, outras regiões do estado estão aguardando a chuva se intensificar para então dar início ao plantio da soja.

“Nesse ano os produtores esperam que as chuvas sejam mais regulares do que no ano passado. Em setembro [de 2021] foi dentro da média da região e esperamos que a chuva se mantenha em condição estável”, diz.

No final do ano, segundo a Embrapa, produtores tiveram impactos na colheita devido ao grande volume de chuvas no estado.

Plantio pós vazio sanitário

O plantio da soja começou após o período do vazio sanitário, feito entre 15 de junho 15 de setembro para controlar a ferrugem-asiática da soja, chamada de Phakopsora pachyrhizi.

Durante 90 dias do ano, o solo onde há cultivo de soja precisa ficar ‘descansando’ e não pode haver qualquer plantio na área.

A Embrapa explica que o fungo que causa a ferrugem-asiática é o biotrófico, ou seja, ele precisa de um hospedeiro vivo para se desenvolver e multiplicar. Ao eliminar as plantas de soja na entressafra, quebra-se o ciclo do fungo, reduz-se a quantidade de esporos presentes no ambiente.

Previsão de safra

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) atualizou, em agosto deste ano, os números da estimativa da safra de 2020/2021.

A nível nacional houve uma redução em relação ao que foi divulgado em julho, quando a estimativa foi de 260,7 milhões de toneladas de grãos Com a revisão, a safra do período ficou em 253,9 milhões de toneladas. A explicação foi que a redução foi puxada por efeitos do clima sobre as lavouras.

G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *