Projeto de RO para o cacau é escolhido para o Fórum Econômico Mundial

Projeto de RO para o cacau é escolhido para o Fórum Econômico Mundial

O projeto de fomento da cadeia produtiva do cacau em Rondônia apresentado pelo Centro de Estudos Rioterra em parceria com a Adapta Group no “Trillion Trees: Amazon Bioeconomy Challenge (Desafio da Bioeconomia Amazônica)”, iniciativa do Fórum Econômico Mundial em parceria com a plataforma de financiamento coletivo “UpLink” para apoiar o desenvolvimento de projetos inovadores de cunho sustentável,  foi eleita uma das 15 melhores propostas do desafio concorrendo com propostas de todo o mundo.

A lista das 15 iniciativas selecionadas foi divulgada na tarde desta quinta-feira, 23, durante a Cúpula do Impacto no Desenvolvimento Sustentável do Fórum Econômico Mundial de 2021.

Em apoio ao programa Década das Nações Unidas da Restauração de Ecossistemas 2021-2030, o desafio busca identificar e incentivar iniciativas de restauração da biodiversidade e as funções do ecossistema florestal da Amazônia.

Isso a partir de ações que promovam também o desenvolvimento socioeconômico das comunidades, potencializando a bioeconomia local. No contexto da iniciativa é definida como a abordagem do uso sustentável das florestas e dos recursos biológicos que apoiam a restauração, preservação e conservação das florestas.

Os projetos selecionados foram convidados para participar de um programa acelerador de quatro meses, que inclui benefícios como acesso a financiadores, programas de subsídios e investimentos até inserção em eventos e projetos do Fórum Econômico Mundial.

Além disso, são proporcionadas consultorias especializadas e maior visibilidade, com exposição em diversos meio de comunicação do Fórum.

“Participar de um programa de aceleração liderado pelo Fórum Econômico Mundial é um desafio motivador para nossa organização. Nessa experiência, esperamos ampliar a rede de parceiros para desenvolver a restauração na Amazônia em escala, envolvendo diferentes setores e integrando restauração florestal às ações de promoção da bioeconomia local, criando um ambiente virtuoso para ampliar os investimentos em Rondônia”, comenta Telva Maltezo, presidente do Centro de Estudos Rioterra.

Sobre o projeto

A proposta “Cacau inclusivo e regenerativo” apresentada pelo Centro de Estudos Rioterra tem como base incentivar o plantio de cacau, espécie nativa da Amazônia, como meio de regularizar passivos ambientais das propriedades rurais.

E, através de uma plataforma digital de rastreamento das ações e resultados do projeto, apresentar à sociedade como é possível promover o desenvolvimento econômico e social da agricultura familiar a partir da restauração e conservação da floresta em pé.

“Propomos implementar, quantificar e apresentar para a sociedade um modelo de incentivo à produção do cacau que contribui para geração de renda e melhoria da qualidade de vida das pessoas a partir da redução do desmatamento e, consequentemente, das emissões de gases de efeito estufa. Através da valorização dos ativos da floresta, fazer com que os agricultores percebam que a floresta em pé tem potencial de desenvolvimento econômico e não é impedimento para a produção agrícola. E que esse fruto nativo amazônico, que é o cacau, pode ser um vetor de transformação local nas questões de conservação da biodiversidade, diminuição das vulnerabilidades sociais e mitigação das mudanças climáticas”, complementa Alexis Bastos, coordenador de projetos do CES Rioterra.

Para acessar a página do projeto na plataforma UpLink, entre no endereço: https://uplink.weforum.org/uplink/s/uplink-contribution/a012o00001pTev4AAC/cacau-inclusivo-e-regenerativo-adapta-rioterra

Fonte: Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *