Propriedades de pequenos agricultores são usadas para socorrer dependentes químicos

Propriedades de pequenos agricultores são usadas para socorrer dependentes químicos

Ao visitar o local, que fica a 25 quilômetros de Porto Velho na estrada de acesso à antiga Cachoeira do Teotônio, verá que há muito matagal, pasto e grama por toda parte.

São oito hectares de terreno, e uma construção adequada seria necessária para deixar o espaço, digamos, com alguma aparência que permita distinguir exatamente o que existe ali.

Nativos e moradores com mais de 15 anos de idade na área sabem que a comunidade católica Talita Cumi administra a área. Um local amparado pela boa vontade de gente simples e modesta, pois não há investimento ou doação para ajudar a comunidade a se estruturar, esse é o diferencial do local.

Francisco Lázaro, também conhecido como Laio, fundou a comunidade há 12 anos. Ele morreu seis anos depois que a ideia foi concluída. Francisco Lázaro, também conhecido como Laio, é produtor e intérprete.

O objetivo era fornecer um local onde meninas e mulheres viciadas em produtos químicos ou prostituídas pudessem obter ajuda. Laio era produtor rural e músico, e Porto Velho e Jaci Paraná foram “invadidos” por pessoas em busca de emprego e oportunidade desde o início da construção da usina.

Propriedades de pequenos agricultores são usadas para socorrer dependentes químicos

Francisco e seus amigos mais próximos, inclusive o aposentado Carlos Humberto Rosa, viram que em meio à multidão de operários havia também meninas e mulheres “perdidas” no mundo das drogas e da prostituição.

A Comunidade Talita Cumi surgiu como resultado disso. O nome se refere à filha única de Jairo, o líder da Sinagoga de Cafarnaum, que foi revivida por Jesus. Um problema de sangramento persistente ceifou a vida da jovem aos 12 anos.

Jesus ressuscita o filha de Jairo dos mortos

Quando Jesus estava passando, ele foi parado por Jairo, que implorou pela vida de sua filha. O Mestre foi então ao quarto da garota, segurou sua mão e gritou alto em dialeto hebraico: “Taltha Kum”, que significa “garota, eu lhe digo, levante-se” Seu espírito voltou, ela se levantou e começou a andar.

Era preciso descobrir um meio de reunir recursos para cumprir a meta projetada. A compra do terreno foi a etapa inicial do projeto. Depois disso, a agricultura seria a escolha mais lógica, já que os agricultores constituíam a maioria da população da comunidade.

Propriedades de pequenos agricultores são usadas para socorrer dependentes químicos

Carlos Humberto Rosa é produtor.

Uma modesta produção de Maxixe, Quiabo e Jiló foi iniciada por um grupo de famílias. A empresa era lucrativa e começaram a chegar compradores. No mês passado, 1.800 quilos de Maxixe foram vendidos para a Cleane, distribuidora de hortaliças que comprava toda a produção para distribuição em supermercados.

Já foram plantadas mil quiagens e mil árvores de jiló, e a colheita deve ser entregue na mesma distribuidora em 30 dias.

Tudo feito à mão

Apesar de todos os participantes do projeto serem dedicados, todo o trabalho é feito manualmente, o que exige muita paciência e atenção. O primeiro passo é colocar as plantas em um viveiro e semeá-las.

Segundo o agricultor Carlos Humberto, quando a fruta amadurece muito rápido, há muita perda no solo. Jiló e Quiabo são irrigadas por gotejamento.

Sistema de gotejamento

O campo, por exemplo, é irrigado com 300 metros de tubos de borracha distribuídos pelo local. Segundo Carlos Humberto, se a comunidade tivesse trator, a área cultivada poderia ser consideravelmente maior, permitindo uma boa coleta e a construção de um abrigo. A Comunidade Talita Cumi agora apóia cerca de dez mulheres em casa. Aproximadamente 30 mulheres foram atendidas pelo programa antes da epidemia.

O cultivo de plantas ornamentais é outra forma de obter uma renda que ainda está em seus estágios iniciais. Cajarana e Palmeira Cika são agora as que têm proporcionado o melhor retorno financeiro.

Ambas as fábricas têm um alto valor de mercado e estão em alta demanda. “O espaço para o cultivo de plantas pode ser potencialmente maior”, continua Carlos Humberto, “mas ainda precisamos de tecnologia adequada para ampliar a área”. O trabalho de Talita Cumi tem se concentrado cada vez mais na ajuda religiosa desde o início da epidemia, devido às restrições governamentais que limitam o que pode ser feito e a melhor linha de ação é manter o isolamento social.

A reintrodução das atividades está sendo gradual, mas espera-se que um número muito maior de mulheres possa se beneficiar em breve. A congregação é formada por membros de um grupo de oração pela Renovação Carismática da igreja de Nossa Senhora de Fátima no bairro Areal. A nível da Diocese, é o Padre Sérgio da Igreja de São José quem tem acolhido as festividades na capela de oração da comunidade. As reuniões acontecem todos os meses, no último domingo, às 9h.

Tão única quanto a iniciativa da Comunidade Talita Cumi é a história da capela erguida no local, que leva o nome do Padre João Nicolleti. Em 1928, Nicolleti mudou-se para Rondônia e ajudou na construção da Catedral de Porto Velho. Por causa dos laços estreitos com a cidade, morreu em Belém do Pará e foi sepultado na Catedral. Além disso, a área em frente à catedral foi batizada em homenagem aos esforços sociais e humanitários da cidade.

O Procurador do Ministério Público de Rondônia, Edmilson Fonsêca, patrocinou a construção da capela na Comunidade Talita Cumi. O promotor afirma que teve um sonho de jovem no Piau em que um missionário chamado João Nicolleti o informou que ele estava destinado a viver na Amazônia.

Edmilson Fonsêca formou-se em direito e tornou-se “concorrente” quando o assunto foi esquecido. Em 1982, candidatou-se e foi autorizado a concurso para promotor público em Rondônia, e mudou-se para Porto Velho, tornando-se um dos primeiros promotores públicos do estado.

Propriedades de pequenos agricultores são usadas para socorrer dependentes químicos
Propriedades de pequenos agricultores são usadas para socorrer dependentes químicos

O Procurador afirma que após a cerimónia de inauguração, dirigiu-se à igreja paroquial de Porto Velho para agradecer a Deus pela obra quando foi abruptamente atraído para um busto de bronze em frente à Câmara Municipal por uma “força estranha”.

Quando leu a inscrição Padre João Nicolleti no busto, ficou comovido e perplexo, lembra. Segundo Fonsêca, a capela foi construída para agradecer o sucesso e a amizade conquistada em Rondônia.

O número de telefone da Comunidade Talita Cumi é 69.98118-1092 se você deseja ajudar ou fazer doações.

Fonte: Rondoniaovivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *