Registros de maus-tratos contra crianças tiveram aumento de 119,04% em Porto Velho

Registros de maus-tratos contra crianças tiveram aumento de 119,04% em Porto Velho

De acordo com dados do Sistema da Polícia (Sispol), os registros na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA) aumentaram 77,77% no período de 1º de janeiro até 15 abril entre os anos de 2020 e 2021. Somente de maus-tratos os registros aumentaram 119,04% em Porto Velho.

A delegada responsável pela DEPCA, Ádrian Vieiro, explicou em coletiva à imprensa, que o aumento no número de casos de crimes registrados na delegacia pode estar ligado ao fato das crianças passarem mais tempo reclusas, por conta da pandemia, em casa.

“Pode estar aumentando por conta do contato maior, pois a criança não está indo para escola, nem para as aulas de natação ou futebol, ou até mesmo se deslocando pra casa do avô, avó, tio. Porque esse trânsito também está limitado”, explica.

Crimes contra criança e adolescente tiveram aumento na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA) no período de janeiro a abril em comparação aos de 2020 e 2021 — Foto: Jheniffer Núbia / G1

Crimes contra criança e adolescente tiveram aumento na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA) no período de janeiro a abril em comparação aos de 2020 e 2021 — Foto: Jheniffer Núbia / G1

Na tabela abaixo, veja os números de ocorrências registrados referentes aos crime de: maus-tratos, estupro, lesão corporal, crimes contra criança e adolescente e outras ocorrências. Os dados são referentes ao período de 1º de janeiro a 15 de abril dos anos de 2020 e 2021.

Crimes contra criança e adolescente no período de 1º de janeiro à 15 de abril dos anos 2020 e 2021

Natureza do crime20202021total
maus-tratos214667
estupro444690
lesão corporal423779
crimes contra criança e adolescente88174262
outras ocorrências não criminais57145202
Total252448700

Fonte: Sispol

O aumento no número de denúncias, destaca a delegada Márcia Gazoni, se dá pela divulgação dos canais da polícia, a partir do entendimento da vítima quando se depara com uma situação de abuso e compreensão do crime.

“Há um número maior de denúncias. Com essa educação, mudança cultural, entendimento que “não é não”, a gente tem maior acesso a veículos de informação, canais de denúncias e se fala mais sobre esse assunto”.

Estupros

As ocorrências de estupros contra crianças e adolescentes também apresentaram aumento. No entanto, na realidade se registradas de outra forma, as ocorrências deveriam estar em maior número. A delegada Adrian explica que o crime deve ser registrado não apenas quando há a penetração.

“As pessoas entendem que tem que ter a conjunção carnal se não houver, muitos entendem que não é estupro. Mas não é assim.Qualquer ato libidinoso diverso que seja com esse cunho lascivo contra a vontade, felação (sexo oral), o beijo, já pode ser considerado estupro”, destaca.

A delegada pontuou que a maior parte dos inquéritos, instaurados em 2021, até o momento, são de crimes sexuais, contra a dignidade sexual e importunação sexual.

No início deste ano, um homem foi preso por aparecer em uma filmagem onde ele estuprava a sobrinha com paralisia infantil. Ele é tio da vítima. O crime foi investigação pela DEPCA e o suspeito foi preso. A época, o crime foi denunciado à polícia, pela enteada do suspeito, uma menina de 12 anos.

Fonte: https://noticiageral.com – com informações de G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *