Rondônia tem o gás de cozinha mais caro da região norte, aponta ANP

Rondônia tem o gás de cozinha mais caro da região norte, aponta ANP

O preço médio do gás de cozinha é mais caro em Rondônia do que nos outros seis estados da região norte do Brasil. De acordo com a pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio do gás liquefeito de petróleo (GLP) de 13kg foi de R$ 118,60 em novembro.

Veja os preços em todos os estados da região norte:

  1. Rondônia – R$ 118,60
  2. Acre – R$ 117,04
  3. Amapá – R$ 116,35
  4. Roraima – R$ 111,67
  5. Tocantins – R$ 111,62
  6. Pará – R$ 108,25
  7. Amazonas – R$ 105,46

Em janeiro, o preço médio do gás era de R$ 90, 51 e desde então, o produto já sofreu um aumento de 31%. Abaixo, veja a evolução do preço médio desde o começo de 2021.

A pesquisa mais recente da agência, realizada entre 21 a 27 de novembro, aponta que o maior preço no estado foi encontrado em Vilhena (RO), sendo cobrado R$ 132. O menor preço foi encontrado em Porto Velho, sendo cobrado R$ 103.

E no Brasil?

Entre os estados de todo o país, Rondônia ocupa a 2ª colocação do ranking, ficando atrás apenas do Mato Grosso, que teve o preço médio em R$ 123,89. Abaixo, veja os 5 estados com os maiores preços:

  1. Mato Grosso – R$ 123,89
  2. Rondônia – R$ 118,60
  3. Acre – R$ 117,04
  4. Amapá – R$ 116,35
  5. Roraima – R$ 111,67

Vale-gás

Nesta sexta-feira (3), o Ministério da Cidadania informou que a primeira parcela do vale-gás será paga ainda este mês para 5,58 milhões de famílias e terá o valor de R$ 52.

De acordo com a pasta, o cálculo corresponde a 50% da média do preço do botijão de 13 kg de gás liquefeito de petróleo (GLP) no Brasil. Segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o valor médio do botijão no país está, hoje, em R$ 102,46.

O programa terá duração de 5 anos. Assim, como o pagamento será a cada dois meses, a previsão é de que sejam pagas 30 parcelas.

O objetivo do programa é dar um alívio para a população mais pobre já que, desde o início do ano, o preço médio do gás de cozinha já subiu quase 30% e é um dos itens que mais tem pesado na inflação.

G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.