Secretaria de Saúde alerta pais sobre aumento significativo de casos da síndrome mão-pé-boca

Secretaria de Saúde alerta pais sobre aumento significativo de casos da síndrome mão-pé-boca

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) alerta os pais e responsáveis para o aumento da incidência da síndrome mão-pé-boca. Nas últimas semanas, o Hospital Infantil Cosme e Damião (HICD) de Porto Velho recebeu cerca de 5 a 7 casos por dia. A doença é infecciosa e geralmente afeta crianças com menos de cinco anos e adultos com mais de treze.

Apesar das taxas elevadas, Luana Baratella, médica especialista em pediatria e diretora clínica do HICD, afirma que a doença não é considerada um surto.

“Vários relatos do mesmo grupo de indivíduos, por exemplo, em uma escola ou uma cidade, são obrigados a ser considerados uma epidemia, e o que se viu aqui até agora são instâncias de várias áreas, mas que podem piorar se não houver consciência população “, advertiu o médico.

Também há relatos de aumento do tráfego em unidades básicas de saúde municipais, inclusive clínicas, policlínicas e pronto-socorros (UPA).

Transmissão

A transmissão deste tipo de vírus sazonal, que ocorre com mais frequência durante uma época específica do ano, pode ser transmitida de pessoa para pessoa por meio de tosse, espirro, saliva, contato direto com bolhas estouradas, objetos, alimentos e contato com fezes infectadas, particularmente durante os primeiros sete dias de doença.

Segundo a pediatra, houve melhora nas últimas semanas em relação ao fluxo de tratamento do ano passado. O cenário mais comum para a propagação do vírus é na escola. “A contaminação é muito comum em creches; às vezes, na hora de trocar a fralda da criança, os pais esquecem de lavar as mãos durante a higiene da criança, e com as mãos contaminadas, passam para as crianças, e também pode ser transmitido por gotículas e secreções nasais “, explicou o pediatra.

Sintomas

Os sintomas surgem após a fase de incubação da doença, que dura de 3 a 7 dias, e geralmente incluem o seguinte:

  • Febre de mais de 38 ° C
  • Irritação da garganta
  • uma diminuição no apetite
  • Mal-estar
  • Bolhas que doem e irritam as mãos, pés, boca e até mesmo a área íntima.
  • Peeling de mãos e pés

Voltarenção

Para evitar que o vírus se espalhe, aqueles que foram infectados devem ficar em casa. É fundamental ficar sozinho até que todos os sintomas desapareçam. É vital lembrar de lavar as mãos adequadamente, pois o vírus ainda pode ser excretado nas fezes, mesmo depois que os sintomas tenham passado.

Embora não haja vacina para a febre aftosa, precauções simples como essas podem ajudar a prevenir a propagação da doença.

Tratamento x Diagnóstico

A doença é diagnosticada clinicamente, por um médico ou pediatra. Se houver suspeita, o pediatra prescreve analgésicos ou antipiréticos, além de água em abundância, de preferência fria, para diminuir o desconforto na boca.

O tratamento geralmente não requer hospitalização e, devido ao perigo de infecção por coronavírus, é recomendado que as crianças não sejam enviadas para unidades hospitalares durante este período de pandemia.

“As lesões ficaram um pouco mais agravantes recentemente, mas podem ser tratadas em casa”, diz a pediatra Luana Baratella. “Porém, em diagnósticos mais graves, as pequenas feridas podem aparecer em outras partes do corpo, como cotovelos, nádegas e joelhos, e até mesmo em todo o corpo, o que é incomum, e se as complicações piorarem, podem se apresentar neurológicas mudanças “, acrescenta ela.

Os sintomas geralmente desaparecem entre o sétimo e o décimo dia, sem deixar cicatrizes ou manchas. A descamação pode fazer com que as unhas dos dedos dos pés e das mãos saiam, o que pode ser grave ou não ao término dos sintomas.

Se a condição não melhorar, a criança deve ser encaminhada ao serviço de saúde mais próximo, onde medicamentos antiinflamatórios, remédios para coceira e pomadas para aliviar os sintomas serão prescritos, bem como alimentação por sonda ou soro intravenoso se a criança não puder alimentar devido a bolhas na garganta.

Fonte: Mixrondonia com informações de Assessoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *