Trabalhadores da educação de Rondônia decidem não retomar aulas presenciais em agosto

Trabalhadores da educação de Rondônia decidem não retomar aulas presenciais em agosto

Os funcionários da educação em Rondônia votaram por não retomar as aulas presenciais programadas pelo Governo do Estado para o dia seguinte, após várias assembleias virtuais realizadas ao longo de três dias.

A decisão, segundo o Sintero, é válida em todas as áreas onde a categoria é obrigada a retornar às atividades presenciais. A categoria protege a continuidade do acesso dos alunos rondonianos ao ensino a distância.

A principal alegação é que os cursos presenciais serão retomados no dia 15 de outubro, uma vez que os profissionais da educação tenham sido inoculados com as vacinas de segunda dose e / ou dose única, e o prazo tenha sido preservado para garantir maior eficácia contra o vírus ”.

Segundo o Sintero, projeta-se que Rondônia aumente o índice de vacinados até o momento, já que a proporção atual da população que terminou o ciclo de vacinação é de 13,47%.

Especialistas em saúde acreditam que cerca de 70% da população deve ser vacinada para garantir a proteção adequada contra o vírus e prevenir sua propagação por transmissão comunitária. O alto nível de ansiedade deve ser justificado pelo fato de crianças e adolescentes não estarem incluídos no programa de vacinação e, portanto, não serem resistentes ao novo coronavírus, o que pode levar a uma nova onda de contaminação no estado ”.

Os profissionais também exigem mudanças nas estruturas físicas das escolas, incluindo a adesão aos protocolos de biossegurança delineados pelas autoridades de saúde que trabalham para combater a Covid-19, que incluem a manutenção de ambientes ventilados, a manutenção de uma distância social de 1,5 metros entre mesas e cadeiras, e manutenção de limpeza constante de móveis e superfícies escolares, entre outras coisas.

A decisão dos trabalhadores também se baseia na diretriz do MEC de que haja número insuficiente de técnicos educacionais para garantir a higiene antes e depois do uso dos banheiros e bebedouros.

Antes do retorno, o Sintero defende a fiscalização das instituições de ensino em todos os municípios, com declaração de órgãos competentes atestando se o ambiente educacional é capaz de receber toda a comunidade escolar sem criar problemas de saúde. “A mesma justificativa é usada no caso do transporte escolar, que o Detran deve examinar até o dia 15 de agosto. O Sintero quer que o governo torne mais públicos os resultados das fiscalizações para que se possa apurar se a frota possui os equipamentos de segurança e sanitários necessários dentro dos veículos ”.

Os trabalhadores declararam durante as reuniões que têm uma grande expectativa e desejo de feedback face a face “Porque existem inúmeros desafios associados à educação a distância devido à falta de estrutura que o governo nunca forneceu, sem falar nas perdas financeiras incorridas em decorrência da necessidade de equipamentos tecnológicos e do aumento das despesas domésticas, como luz e internet, que a categoria continua financiando unilateralmente.

Especialistas em educação mantêm seus cargos para garantir que o retorno presencial seja realizado nas condições mais seguras possíveis , que inclui vacinação total e adesão aos regulamentos de saúde escolar. ”

O Sintero encaminhou a notificação à Secretaria de Estado da Educação após debate na assembleia. A partir de segunda-feira (2), continua a instar os funcionários da Educação a não reagir às demandas de planejamento de retorno presencial em instituições públicas de ensino.

“Depois de delinear todos os nossos pedidos, os funcionários da educação de todas as regionais concordaram em aderir à greve de saúde, citando o momento inadequado para a restauração efetiva das salas de aula presenciais.

Durante as reuniões, descobrimos que os nossos camaradas e companheiros estão prontos para voltar ao trabalho, até porque as facilidades para trabalhar remotamente eram inexistentes. No entanto, exigimos critérios mínimos para proteger a saúde e o bem-estar de todos os membros da comunidade escolar ”, disse Lionilda Simo, presidente do Sintero.

Fonte: Mixrondonia com informações de assessoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *